TEMPOS DIFÍCEIS E DESAFIADORES

  • 14/04/2019
  • Administrador

31/01/2019

TEMPOS DIFÍCEIS E DESAFIADORES

 

Os tempos atuais são difíceis e desafiadores, e para sair-se vencedor é preciso muita determinação para seguir a Cristo, para permanecer na Palavra e para anunciá-la.

Todos querem ouvir boas notícias, bons prognósticos, votos de felicidade e de prosperidade e que tudo será bem melhor, no entanto, sejamos bem sinceros, tudo vai ficando cada vez pior e a pura realidade para ser constatada é que não haverá melhora, pelo contrário, as condições gerais vão se deteriorando e ficando mais e mais difíceis.

 

O ALERTA DO SENHOR JESUS CRISTO

O Senhor Jesus Cristo deixou tudo muito bem explicado. Conversando com os discípulos sobre o futuro ele alertou, entre outras coisas para:

  • O perigo do engano, que chegaria através daqueles que viriam em seu nome.
  • O aumento das guerras e rumores de guerras.
  • Os relacionamentos tornando-se odiosos, traidores e escandalosos.
  • A multiplicação da iniquidade.
  • O esfriamento do amor de quase todos.

A CONSTATAÇÃO DO APÓSTOLO PAULO

O apóstolo Paulo, em sua última carta, escreveu as seguintes palavras: “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres do que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto o poder” (2 Timóteo 3:1-5).

É exatamente este quadro do aumento da maldade, da violência, da rebelião, da injustiça, da desintegração familiar, da imoralidade, que está sendo colocado diante dos nossos olhos e também das nossas crianças. As crianças estão na mira de planos malignos para serem corrompidas, o mais cedo possível, em seus corpos, em suas almas e em seus espíritos.

Iremos nos desesperar? De maneira nenhuma. Para uma época assim é que o Senhor nos convoca e a excelência no trato com a criança exige que pais, professores, pastores considerem com muita seriedade e responsabilidade que há um livro, um modelo, um ministério e um programa a ser seguido.

HÁ UM LIVRO

Há um livro para amar, meditar, estudar, guardar e obedecer se quisermos ser sábios e excelentes.

Precisamos pregar a palavra, fazendo o trabalho de um evangelista, em qualquer lugar, a qualquer tempo, sem olhar para as circunstâncias, para as aflições, para a incredulidade generalizada.  Numa época onde todos só querem falar e ouvir o que lhes agradam e se recusam ouvir a verdade, ter a Bíblia como prioridade é um grande desafio.

Precisamos permanecer alicerçados na Escritura Sagrada que é inspirada por Deus e útil para ensinar, repreender, corrigir e treinar na justiça, tornando os servos de Deus perfeitamente habilitados para o serviço que glorifica ao Senhor. As nossas crianças precisam, não de entretenimento, mas sim de conhecer a Bíblia e ser por ela transformadas.

HÁ UM MODELO

Há um modelo para seguir e imitar se quisermos ser piedosos e excelentes

Precisamos seguir o ensino, o procedimento, o propósito, a fé, a longanimidade, o amor, a perseverança e esperar as perseguições e sofrimentos, que foram marcas em Paulo. Precisamos considerar que de maneira tão inspiradora foi Paulo quem deixou-nos este grande desafio: “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo” (I Coríntios 11:1). E fica muito claro o fato que “todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2 Timóteo 3:12).

HÁ UM MINISTÉRIO

Há um ministério para se cumprir de forma corajosa e zelosa se quisermos ser fiéis e excelentes. As oportunidades não cessaram!

Lembremo-nos da palavra de Jesus aos seus discípulos: “Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (Mateus 18: 3). Não é a criança que tem de se tornar adulta para ser um cristão, pelo contrário, é o adulto que tem de tornar-se como uma criança.

Sabemos que a obra da conversão é uma obra do Espírito Santo. Ele é quem convence do pecado da justiça e do juízo, seja uma criança de três anos, seja um ancião de oitenta anos. No mundo todo, as estatísticas comprovam que a conversão a Cristo e o novo nascimento tem acontecido muito mais frequentemente com aqueles que estão na faixa etária antes dos quinze anos. Trata-se do grupo que tem sido denominado de JANELA 4/14, que compõem mais de 55% da população mundial.

O desafio missionário para alcança-los é imenso. Só no Brasil são cerca de 60 milhões. Há, portanto, um grande trabalho a ser realizado por aqueles que estão comprometidos em fazer a vontade de Deus – alcançar as crianças com o evangelho, porque compreendem as palavras de Jesus: “não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos” (Mateus 18:14)

A excelência no trato com a criança exige repensar a ação evangelística voltada para os menores:

  • Estamos ganhando as crianças para Cristo em nossos bairros?
  • Será que temos sequer a visão deste imenso campo missionário que está bem diante de nossos olhos?
  • Qual é o tamanho do esforço empreendido para se alcançar as crianças?
  • As igrejas realizam um trabalho contínuo de evangelização das crianças fora das quatro paredes do templo?
  • Como quantificar o número daqueles que estão entrando nos anos de sua juventude e nunca ouviram a mensagem do Evangelho?
  • Por que razão, na fase da vida quando estariam mais predispostos para ouvir de Cristo e recebê-lo como Senhor e Salvador, bilhões são negligenciados?
  • Como reverter isto? Como mudar a visão? Como sair em busca da nova geração que está chegando?

Nestes dias difíceis e desafiadores há necessidade urgente de um grande exército de evangelistas de crianças.

Onde achá-los? Seria você, que neste momento lê este artigo?

Se você reconhece que os dias são difíceis e se você tem a convicção que o Senhor quer e pode usá-lo, apresente-se agora mesmo ao Grande General. Pode dizer-lhe que está pronto para seguir o modelo dos que andam piedosamente em Cristo. Fique firme, desenvolva-se no amor, no entendimento e na obediência à Sua Palavra e saia para fazer a obra de um evangelista – um evangelista de crianças. As crianças estão esperando por você.

HÁ UM PROGRAMA

Há um programa para desenvolver e que precisa ser executado com excelência.

Neste programa há uma só mensagem a ser pregada, que é essa: arrependimento para remissão de pecados e a fé em Cristo. Esta é a mensagem para ser anunciada.

Muita gente quer falar de futebol, de ecologia, de política, de responsabilidade social, de cidadania, de engajamento, de psicologia, de prosperidade, etc, etc. Tudo isto está fora do programa. Cura, bem-estar, conseguir um bom emprego, conseguir um carro novo, uma nova casa, “ser cabeça e não cauda”, determinar o que se quer para ficar bem e por cima de todos. Tudo isto está fora do programa.

Certa ocasião, numa igreja em São Paulo, ouvi o pregador ler o texto bíblico a respeito do primeiro milagre realizado por Jesus – a transformação da água em vinho, para depois dizer que Jesus faria um milagre em todos os que estivessem ali naquela reunião, transformando os problemas em grandes bênçãos, a escassez em grande abundância, a tristeza em alegria, etc,

Como estes “milagres” aconteceriam? Era muito simples: bastava que cada um colocasse num envelope o dinheiro solicitado.

Este dinheiro no envelope e entregue ao pastor, seria como a água colocada no vaso. Depois, o Senhor faria o milagre e abençoaria cada um abundantemente. Daria o melhor vinho. O pregador que trouxe esta mensagem e todos quantos fazem este tipo de pregação são enganadores. Esta é a verdade. Deveríamos após certas mensagens que ouvimos fazer a seguinte pergunta aos pregadores:

– Escuta aqui, você pode me dizer por que não pregou o Evangelho? Por que você não pregou o arrependimento para remissão de pecados e a fé em Cristo?

Quando Jesus Cristo, ressurreto, abriu o entendimento dos discípulos para compreenderem as Escrituras, logo em seguida deixou bem claro o programa ser seguido: “Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações” (Lucas 24: 45-47)

O apóstolo Paulo sintetizou isto de modo muito claro e simples: “Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”. (1 Coríntios 15:3,4)

Este é o programa para ser desenvolvido em todo e qualquer ministério com as crianças, seja num lar, seja numa igreja, seja numa instituição onde se encontram crianças, seja ao ar livre.

Haveria uma verdadeira revolução na sociedade se as famílias cristãs abrissem as portas de suas casas para que as crianças da vizinhança ouvissem a mensagem, uma vez por semana. A mensagem é uma só, você já sabe. O programa pode incluir memorização de um versículo bíblico, cânticos e uma linda história da Bíblia, bem contada. Escolha um nome para este programa. Que nome você daria para este tipo de programa? Que tal: Clube das Boas Novas? A excelência no trato com as crianças seria real se cada um começasse este tipo de trabalho e se tornasse um evangelista de crianças!

Se o Programa, por alguma razão, não puder ser realizado numa casa, que tal procurar uma escola ou uma creche, ou até sair pelas ruas para entregar folhetos às crianças, ou até, reuni-las, embaixo de uma árvore, num campinho de futebol, ou noutro lugar ao ar livre e pregar-lhes a mensagem? “Prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não…”, é esta a recomendação em 2 Timóteo 4:2.

Sim, nestes dias difíceis e desafiadores, Deus tem uma grande obra a realizar. Há um número incontável de pessoas, e de maneira especial, de crianças, que poderão escapar do juízo e da condenação eterna, porque ouvirão do amor de Deus, através de homens e mulheres que:

  • Amam o Livro.
  • Seguem o Modelo.
  • Cumprem o Ministério.
  • Realizam o Programa.

Sim, os tempos são difíceis e trabalhosos, mas pela graça e misericórdia do Senhor serão tempos frutíferos, para a glória de Deus! O fato é que teremos o próprio Senhor Jesus Cristo conosco, quando estivermos buscando as crianças. Foi Ele mesmo quem prometeu: “E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século”.

Desta maneira, trabalharemos com excelência junto às crianças. Basta-nos a presença d’Ele!

Pr. Gilberto Celeti
Superintendente Nacional da APEC

Carregando Comentários ...